ENTENDA COMO QUISER


Na quentíssima infância do Universo sem norte, sul, leste ou oeste um feixe de luz projetou-se. Nesse domínio as posições parecem sempre exatamente as mesmas, “olhe-se” de onde se “olhar”. Nele os limites são provisórios; sua expansão iniciou-se no momento mesmo da grande explosão. Desde quando configurado o espaço, o tecido universal se expande; não são os corpos celestes que se afastam uns dos outros, é o espaço permanentemente em fuga a se estender velozmente que os distancia. Nalgum ponto do tempo as galáxias, os corpos, os acidentes espaciais estarão tão distantes uns dos outros que não haverá artefato que os alcance, telescópios que com eles façam contato visual; este será o momento universal da absoluta solidão, os limites territoriais de cada tribo estarão isolados por distâncias descomunais, imensuráveis, o elemento de medição mais amplo do que os anos-luz dos nossos conhecimentos atuais. O orbe consumará a antiga concepção de ser, em seus limites, o centro de um universo vazio de qualquer coisa além de si mesmo; ele será, para todos os efeitos, o Universo.

E porque o Universo se expande a uma velocidade vertiginosa, o feixe de luz que faz de você uma criatura cósmica — muitas pessoas chamam-no Deus, dê-lhe o nome que quiser, ele não pertence a ninguém, o importante é capacitar-se de que está lá, que existe independentemente do que você ache, pense ou deixe de pensar — e em seu rastro construiu estrelas que explodiram e continuam explodindo, liberando materiais que, disseminados pelo Universo, são utilizados como matéria-prima na construção de sistemas vivos como o seu corpo, como você, resultado de um formidável processo cósmico em permanente evolução, jamais chegará, onde, não se imagina, apenas se inferindo que não chegará porque o Universo se expande a uma velocidade bem maior do que a sua velocidade; por isso há noite, para muitos seara de demônios, a solidão psíquica dos descabeçados de si mesmos, o que de pior se manifesta num movimento de atração recíproca a acumular-se, a multiplicar-se na direção do nada, pois iniquidades não constroem, iniquidades existem pelo caos e para o caos.

Um ano que se inicia é um tempo regenerado, de atrair a luz para nós mesmos. Ele chegará ao limite, nova regeneração se imporá; chegue a ela melhor do que é hoje, mais luz a concorrer com mais luz para que os efeitos da noite perene se dissipe. Tente ser melhor, e ser melhor é vencer iniquidades. Procure o significado das Humanidades, persiga uma visão clássica elevada de mundo por meio uma equação total, a equação das gentes, dos seres humanos realizados na plenitude. O Humanismo é alcançável, é possível com senso prático, uma nova posição para um tempo regenerado, novo. Comece pelo seu desenvolvimento como prioridade pessoal, aplique-se e você determinará com segurança o que é isso, primeiro passo para estabelecê-lo, depois inicia-lo.

Como dicção de hoje eu quase escrevi apenas: O blog também; e em saci-pererê, Branca de Neve, Papai Noel,,, Não consegui, soa grosseiro, não é o meu estilo. Desde ontem eu comecei minha jornada anual de ser, em Dezembro, melhor do que sou em Janeiro. Ou menos pior, entenda como quiser!!!


Posts Recentes
Arquivos
0

CARRINHO